sexta-feira, agosto 14, 2015


...

Que tenho eu a dizer
neste país
se um homem levanta os braços
e grita com os braços
o que de mais oculto havia
na secreta ternura de uma boca
que era a única boca do seu povo
Que posso eu fazer senão
daqui
deste deserto
em que persisto
chamar-lhe camarada.


António Ramos Rosa - Daqui deste deserto em que persisto (excerto)


sexta-feira, agosto 07, 2015


Calçada portuguesa - Cascais
 
 Sou a favor da calçada portuguesa porque é uma arte e, como tal, devia ser implementada e preservada.
 
Mas não é sobre a calçada portuguesa que vos quero falar. É, neste caso, o efeito provocado pelo desenho. Dá a impressão que o chão não é plano, mas ondulado. Ou seja uma ilusão de óptica que nos faz ver uma coisa que não é a realidade. As ditas, podem surgir naturalmente ou serem criadas por astúcias visuais específicas.
 
Acontece o mesmo com as palavras, com números.
 
Há pessoas que têm um talento para a prestidigitação, que é uma técnica de iludir o espectador com truques que dependem da rapidez e agilidade das mãos.
 
Como em todas as artes há pessoas sérias, honradas mas, lá está, também  existem os charlatães.
Charlatanismo deriva da apalavra italiana ciarlare , e significa exploração da credulidade pública, inculcando ou anunciando cura por meio secreto ou infalível oferecendo algo vantajoso sem o ser, realmente.
 
Em português também lhes chamamos parlapatões
 
Modernamente, o charlatanismo, pode ser aplicado em todas as áreas da economia nacional.
 
Qualquer semelhança com os dados estatísticos fornecidos pelo nosso governo é pura coincidência.
 
 

sexta-feira, julho 31, 2015


Capelinha de S. Sebastião - Ericeira
 
Nestes dias de Verão, nesta zona, há, por vezes, dias em que uma neblina cai densa sobre tudo,
deixando uma espécie de nostalgia.
São, não direi dias, mas momentos de bruma em que nos recolhemos dentro de nós,
E, silenciosos, ficamos à espera do Sol e da cor que vem com ele.
De alegria, de calor, do barulho das crianças.
Eu disse Sol!
Porque de D. Sebastiões estamos fartíssimos.
 

quinta-feira, julho 23, 2015

sábado, julho 18, 2015




Este ministro e um mentiroso
que agonia quando ele discursa
e se fosse só isso: bale sem jeito
às meias horas de seguida - e não pára!

Bem aventurados os duros de ouvido
a quem o céu abrirá as portas
desliguem por favor o microfone
ou então tirem o país da ficha. 


Fernando Assis Pacheco

domingo, julho 12, 2015


Imagem da Wikipedia
 
A situação na Grécia diz respeito a todos nós. Ninguém pode, nem deve, ficar indiferente.
Nestas negociações já se ouviu de tudo. Chegaram a dizer que para negociar devia ser entre adultos.
Um remoque ofensivo muito despropositado.
E, lamentavelmente, hoje verificamos que quem está a ser tratado como criança, são os gregos.
Ou aceitam o que lhes é exigido conta todo o bom senso, ou levam "tau-tau".
Mas afinal quem é que manda nos gregos e nos outros países debaixo de fogo?
Afinal para que é que temos eleições?
Afinal para que é que temos presidente, primeiro ministro, ministros, por aí fora.
Afinal o que é isso de Democracia?