terça-feira, Abril 15, 2014




Há coisas na vida mais belas que a vida
coisas terríveis tão belas ocultas
que coisas não são
sabemos acaso os nomes o gesto
da incerta presença
sorriso mais vago
perfume sonhado
sombras solenes
luzeiros tremendo
ah não
sentir não sentimos
pensar não pensamos
nem mesmo que é nada
se é belo ou não belo
 se parte se fica
se é excesso ou se é resto
há coisa terríveis
estranhas não são
alheias dispersas
talvez também não
mais belas que a vida
que a vida perdida
ansiosa ou maldita
diremos acaso que nomes que gesto
mas quais e porquê?...
Ah não.


Jorge de Sena - Balada das Coisas e Não

sexta-feira, Abril 11, 2014


 
Olaias em flor
 
 
 



-Então, vizinha, já concorreu com as "facturas da sorte" para que lhe saia o Audi?
-Ó vizinha o que é um Audi?

quarta-feira, Abril 09, 2014


 
Chagas ou Capuchinhas
 
 
Vive, dizes, no presente;
Vive só no presente.
 
Mas eu não quero o presente, quero a realidade;
Quero as cousas que existem, não o tempo que as mede.
 
O que é o presente?
É uma cousa relativa ao passado e ao futuro.
É uma cousa que existe em virtude de outras cousas existirem.
Eu quero só a realidade, as cousas sem presente.
 
Não quero incluir o tempo no meu esquema.
Não quero pensar nas cousas como presentes; quero pensar nelas como cousas.
Não quero separá-las de si-próprias, tratando-as por presentes.
 
Eu nem por reais as devia tratar.
Eu não as devia tratar por nada.
 
Eu devia vê-las, apenas vê-las;
Vê-las até não poder pensar nelas.
 
Vê-las sem tempo, nem espaço,
Ver podendo dispensar tudo menos o que se vê,
É esta a ciência de ver, que não é nenhuma.
 
 
Fernando Pessoa/Alberto Caeiro
 
 
 
 

sexta-feira, Abril 04, 2014




Nesta cidade, onde agora me sinto
mais estrangeiro do que um gato persa;
nesta Lisboa, onde mansos e lisos
os dias passam a ver gaivotas,
e a cor dos jacarandás floridos
se mistura à do Tejo, em flor também,
só o Cesário vem ao meu encontro,
me faz companhia, quando de rua
em rua procuro um rumor distante
de passos ou aves, nem eu já sei bem.
Só ele ajusta a luz feliz dos seus
versos aos olhos ardidos que são
os meus agora; só ele traz a sombra
de um verão muito antigo, com corvetas
lentas ainda no rio, e a música,
sumo do sol a escorrer da boca,
ó minha infância, meu jardim fechado,
ó meu poeta, talvez fosse contigo
que aprendi a pesar sílaba a sílaba
cada palavra, essas que tu levaste
quase sempre, como poucos mais,
à suprema perfeição da língua.


Eugénio de Andrade - Em Lisboa com Cesário Verde



quarta-feira, Abril 02, 2014




E se em vez do Audi eles oferecessem um Ferrari?
Que diferença é que ia fazer para os milionários que ganham  600 euros por mês sem contar com os impostos e a vida cada vez mais cara?


sábado, Março 29, 2014




A vida é feita de nadas
De grandes serras paradas
À espera de movimento;
De searas onduladas
Pelo vento;

De casas de moradia
Caídas e com sinais
De ninhos que outrora havia
Nos beirais;

De poeira;
De sombra de uma figueira;
De ver esta maravilha:
Meu Pai erguer uma videira
Como uma mãe que faz  trança à filha.


Miguel Torga - Bucólica



segunda-feira, Março 24, 2014




O que é preciso é gente
gente com dente
gente que tenha dente
que mostre o dente

Gente que seja decente
nem docente
nem docemente
nem delicodocemente

Gente com mente
com sã mente
que sinta que não mente
que sinta o dente são e a mente

Gente que enterre o dente
que fira de unhas e dente
e mostre o dente potente
ao prepotente

O que é preciso é gente
que atire fora com essa gente.


Ana Hatherly  Esta Gente/Essa Gente