quinta-feira, dezembro 31, 2015

segunda-feira, dezembro 14, 2015



Regresso ao meu País.
Com esperança, com alegria. Encontro no olhar dos que me cercam o mesmo brilho, a mesma fé.
Para tudo ser, de facto, perfeito, só faltam 41 dias.
Vai ser outro Natal.

quarta-feira, dezembro 02, 2015


 
A verdade e a liberdade são como o Sol,  aparecem sempre.
 
 

quinta-feira, novembro 26, 2015

sexta-feira, agosto 14, 2015


...

Que tenho eu a dizer
neste país
se um homem levanta os braços
e grita com os braços
o que de mais oculto havia
na secreta ternura de uma boca
que era a única boca do seu povo
Que posso eu fazer senão
daqui
deste deserto
em que persisto
chamar-lhe camarada.


António Ramos Rosa - Daqui deste deserto em que persisto (excerto)


sexta-feira, agosto 07, 2015


Calçada portuguesa - Cascais
 
 Sou a favor da calçada portuguesa porque é uma arte e, como tal, devia ser implementada e preservada.
 
Mas não é sobre a calçada portuguesa que vos quero falar. É, neste caso, o efeito provocado pelo desenho. Dá a impressão que o chão não é plano, mas ondulado. Ou seja uma ilusão de óptica que nos faz ver uma coisa que não é a realidade. As ditas, podem surgir naturalmente ou serem criadas por astúcias visuais específicas.
 
Acontece o mesmo com as palavras, com números.
 
Há pessoas que têm um talento para a prestidigitação, que é uma técnica de iludir o espectador com truques que dependem da rapidez e agilidade das mãos.
 
Como em todas as artes há pessoas sérias, honradas mas, lá está, também  existem os charlatães.
Charlatanismo deriva da apalavra italiana ciarlare , e significa exploração da credulidade pública, inculcando ou anunciando cura por meio secreto ou infalível oferecendo algo vantajoso sem o ser, realmente.
 
Em português também lhes chamamos parlapatões
 
Modernamente, o charlatanismo, pode ser aplicado em todas as áreas da economia nacional.
 
Qualquer semelhança com os dados estatísticos fornecidos pelo nosso governo é pura coincidência.
 
 

sexta-feira, julho 31, 2015


Capelinha de S. Sebastião - Ericeira
 
Nestes dias de Verão, nesta zona, há, por vezes, dias em que uma neblina cai densa sobre tudo,
deixando uma espécie de nostalgia.
São, não direi dias, mas momentos de bruma em que nos recolhemos dentro de nós,
E, silenciosos, ficamos à espera do Sol e da cor que vem com ele.
De alegria, de calor, do barulho das crianças.
Eu disse Sol!
Porque de D. Sebastiões estamos fartíssimos.
 

quinta-feira, julho 23, 2015

sábado, julho 18, 2015




Este ministro e um mentiroso
que agonia quando ele discursa
e se fosse só isso: bale sem jeito
às meias horas de seguida - e não pára!

Bem aventurados os duros de ouvido
a quem o céu abrirá as portas
desliguem por favor o microfone
ou então tirem o país da ficha. 


Fernando Assis Pacheco

domingo, julho 12, 2015


Imagem da Wikipedia
 
A situação na Grécia diz respeito a todos nós. Ninguém pode, nem deve, ficar indiferente.
Nestas negociações já se ouviu de tudo. Chegaram a dizer que para negociar devia ser entre adultos.
Um remoque ofensivo muito despropositado.
E, lamentavelmente, hoje verificamos que quem está a ser tratado como criança, são os gregos.
Ou aceitam o que lhes é exigido conta todo o bom senso, ou levam "tau-tau".
Mas afinal quem é que manda nos gregos e nos outros países debaixo de fogo?
Afinal para que é que temos eleições?
Afinal para que é que temos presidente, primeiro ministro, ministros, por aí fora.
Afinal o que é isso de Democracia?
 
 

terça-feira, julho 07, 2015

domingo, julho 05, 2015

quarta-feira, julho 01, 2015



Pobres das flores nos canteiros dos jardins regulares.
Parecem ter medo da polícia...
Mas tão boas que florescem do mesmo modo
E têm o mesmo sorriso antigo
Que tiveram para o primeiro olhar do primeiro homem
Que as viu aparecidas e lhes tocou levemente
Para ver se elas falavam...


Fernando Pessoa/Alberto Caeiro

quarta-feira, junho 24, 2015

    Imagem da Wikipedia
Quetzal-Ave da América Central
 
 
´
Até o jade se parte,
até o ouro se dobra,
até a plumagem do quetzal se despedaça...
Não se vive para sempre na Terra!
Duramos apenas um instante...
 
Aztecas
 
(Do livro  Rosa Do Mundo - 2001 Poemas para o Futuro)
 
 
 

quarta-feira, junho 17, 2015




O sábio esquece-se de si,
só pensa na humanidade,
ignora os Paraísos,
as recompensas do outro mundo.

Ouvi dizer que Buda
ensinava uma doutrina pura.
Mas se assim é, para quê
tantos ídolos de madeira dourados?

Os céus que formam o tecto do mundo
dissipar-se-ão como uma nuvem.


Chen Tzu- Ang  (656-698)

quinta-feira, junho 11, 2015




Disse então aos tiranos:
Que pequena e mesquinha humanidade
A vossa!
Horas, dias e anos
De crueldade,
Para que ninguém possa
Gritar que passais nus pela cidade!


Miguel Torga - Sátira

quarta-feira, junho 03, 2015




E o que é que há de comum nestas fotografias ?

Pois, meus amigos, é o Verão com maiúscula, à antiga,  senão parecia um discurso muito recorrente dos nossos governantes.

Cerejas e chapéus de sol e muito calor não há coisa melhor.

domingo, maio 31, 2015



Giestas ou Maias como lhe chamam no Norte.

Dizem que dão sorte, afastam o mau olhado, por isso muitas pessoas, cumprindo a tradição, as levam para casa e as põem em ramos penduradas nas portas.

São lindas e perfumadas e tornam uma viagem muito mais bonita.

quarta-feira, maio 27, 2015





Ele, o escaravelho vermelho ou das palmeiras (Rhynghophorus ferrugineus  Olivier) andava por esta
zona do Oeste  e eu pensava um dia destes tenho-os nas palmeiras.
E assim aconteceu. Uma já morreu e a outra já foi atacada.

Quando se dá por isso já não há nada a fazer.

As fêmeas põem os ovos nos tecidos mais tenros das palmeiras, geralmente, na coroa.
As larvas na metamorfose, deixam a palmeira e formam casulos feito com fibras secas de folhas.

É uma praga a que assistimos quase impotentes. Mas eu não desisto já tenho outra palmeira que, dizem, eles não  atacam.

Outra coisa, chamam-lhes escaravelhos mas, afinal, são besouros e grandes.


quarta-feira, maio 20, 2015




Vai-se o bem para o bem e o mel para as abelhas
 
 
 
Adágio popular português

domingo, maio 17, 2015




Chama-se liberdade o bem que sentes,
Águia que pairas sobre as serranias;
Chamam-se tiranias
Os acenos que o mundo
Cá de baixo te faz;
Não desças do teu céu de solidão,
Pomba da verdadeira paz,
Imagem de nenhuma servidão!


Miguel Torga -  Preservação


quarta-feira, maio 13, 2015




Esta lagartinha simpática depois das transformações tornar-se-á  numa linda borboleta.

O mesmo não acontecerá com o Acordo Ortográfico que, como todos sabemos, é de bradar aos céus.

O problema, para mim, é muito mais grave porque há ainda muitos de nós que não convivem bem com a ortografia antiga quanto mais com a "moderna".

Fiz uma lista não exaustiva de palavras que ouço na televisão, não dos cidadãos  que são entrevistados mas dos próprios entrevistadores e até de alguns comentadores de alto gabarito.

Palavra Correcta                 Como alguns as pronunciam

Circunstância circonstância
Competitividade competividade
Curiosidade curosidade
Dizer dezer
Implicações emplicações
Ampolas empolas
Impostos empostos
Importância emportância
Incentivo encentivo
Informação enformação
Intervalo entervalo
Investigações envestigações
Invulgar envulgar
Aeroporto éroporto ou aerioporto
Extraordinária estródinaria
Função,funcionário fonção, foncionário
Manigâncias mãningâncias
Monitorizada monotorizada
Ao nível ó nível
Autocarro ótocarro
Auto disciplina ótó disciplina
Ouvir, ouvido óvir, óvido
Pequenos piquenos
Princípios prencípios
Quaisquer quaisqueres
Restaurante restórante
Reivindicações rinvindicações
Reunião runião
Sindicatos sendicatos
Solidariedade solidaridade
Também támem
Telefones tefones
Trimestre tremestre
Treze treuse
 
 
E, por último, a palavra helicóptero. Uma palavra que dá azo à mais extraordinária imaginação  .
Eles por vezes dizem ilcótero, licótero,elcótro  entre outras.

Em face destes exemplos, não seria melhor corrigir os erros de dicção da ortografia anterior  em vez de nos imporem esta tão nociva nova ortografia.


sexta-feira, maio 08, 2015

segunda-feira, maio 04, 2015





As arribas na Ericeira estão cobertas com estas pequenas flores.
É um  prazer passear ao longo delas e ter este espectáculo magnífico.

sexta-feira, abril 24, 2015


 25 de Abril Sempre - Fascismo Nunca Mais


Não sei, meus filhos, que mundo será o vosso.
É possível, porque tudo é possível, que ele seja
aquele que eu desejo para vós. Um simples  mundo,
onde tudo tenha apenas a dificuldade que advém
de nada haver que não seja simples e natural.
Um mundo em que tudo seja permitido,
conforme o vosso gosto, o vosso anseio, o vosso prazer,
o vosso respeito pelos outros, o respeito dos outros por vós.
E é possível que não seja isto, nem seja sequer isto
o que vos interesse para viver. Tudo é possível,
ainda quando lutemos, como devemos lutar,
por quanto nos pareça a liberdade e a justiça,
ou mais que qualquer delas uma fiel
dedicação à honra de estar vivo.
Um dia sabereis que mais que a humanidade
não tem conta o número dos que pensaram assim,
amaram o seu semelhante no que ele tinha de único,
de insólito, de livre, de diferente,
e foram sacrificados, torturados, espancados,
e entregues hipocritamente  à secular justiça,
para que os liquidasse "com uma piedade e sem efusão de sangue."...


Jorge de Sena - Carta A Meus Filhos Sobre Os Fuzilamentos De Goya (excerto) 

terça-feira, abril 21, 2015

 
Ganso do Egipto

 
Pato mandarim

 
Rolinha
 
 
Hora da sesta para estas aves que se podem ver na Casa dos Bichos.
 
Um pequeno Zoo que os Viveiros Batalha, no Casal da Carrasqueira, estrada de Santo Isidoro, instalaram na zona onde compramos tudo o que precisamos para os nossos jardins e pequenas hortas.
 
Está um espaço cuidado com muita variedade de aves. As crianças adoram e os adultos também.
Voltarei lá para ver as cabrinhas anãs que na altura estavam no pasto.
 
Uma ideia genial, bem executada.
 
 

sexta-feira, abril 17, 2015



Tu já tinhas um nome, e eu não sei
se eras fonte ou brisa ou mar ou flor.
Nos meus versos chamar-te-ei amor.

 II

Cantas. E fica avida suspensa.
É como se um rio cantasse:
em redor tudo é teu;
mas quando cessa o teu canto
o silêncio é todo meu.

Eugénio de Andrade - Madrigal

terça-feira, abril 14, 2015

 


"A três de Abril o cuco há-de vir, e se não vier até oito está preso ou morto."


Provérbio popular português.

quinta-feira, abril 09, 2015

 
 
 
"O  que é existir
                                                                     - não nós ou o mundo -
                                                                     Mas existir em si?"
                                                        

Fernando Pessoa

quarta-feira, abril 01, 2015




Estamos a ser invadidos por extraterrestres.

Várias naves sobrevoaram o mar da Ericeira.

Ninguém se preocupou muito. Será que vieram para nos salvar?


segunda-feira, março 30, 2015




É urgente o amor.
É urgente um barco no mar.

É urgente destruir certas palavras,
ódio, solidão e crueldade,
alguns lamentos,
muitas espadas.

É urgente inventar alegria,
multiplicar os beijos, as searas,
é urgente descobrir rosas e rios
e manhãs claras.

Cai o silêncio nos ombros e a luz
impura até doer.
É urgente o amor, é urgente
permanecer.


Eugénio de Andrade - Urgentemente

domingo, março 22, 2015




Sombra dos mortos, maldição dos vivos.
Também nós... Também nós... E o sol recua.
Apenas o teu rosto continua
A sorrir como dantes,
Liberdade!
Liberdade do homem sobre a terra,
Ou debaixo da terra.
Liberdade!
O não inconformado que se diz
A Deus, à tirania, à eternidade.

Sepultos insepultos,
Vivos amortalhados,
Passados e presentes cidadãos:
Temos nas nossas mãos
O terrível poder de recusar!
E é essa flor que nunca desespera
No jardim da perpétua primavera.


Miguel Torga - Flor da Liberdade

terça-feira, março 17, 2015



Sonhe com aquilo que você quer,
porque você possui apenas uma vida
e nela  só se tem uma chance
de fazer aquilo que quer.

Tenha felicidade bastante para fazê-la doce.
Dificuldades para fazê-la forte.
Tristeza para fazê-la humana.
E esperança suficiente para fazê-la feliz.

Clarice Lispector  -  O sonho

sábado, março 14, 2015




"Março marçagão, de manhã Inverno,
à tarde Verão."

"Março marçagão, manhã de Inverno, tarde de rainha,
 noite corta que nem foicinha."


Adágios populares portugueses

segunda-feira, março 09, 2015




Abrunheiro e sua flor
 
 
 Primavera está a passar por aqui.