quinta-feira, agosto 10, 2006

Coretos!

Em tempo de férias e de calor, e para quem está retido nas cidades, nada melhor do que partir á descoberta dos jardins que embelezam e refrescam as tardes de Verão.

Em muitos dos jardins das nossas cidades e vilas existem umas construções em lugar central e de destaque e que são constituidas básicamente por uma zona elevada, o palco (com um local por debaixo onde normalmente estão armazenadas as cadeiras utilizadas durante as actuações), rodeado por um corrimão e por uma cobertura mais ou menos trabalhada.

Ao longo do tempo tem sido palco para as mais diversas actuações, desde musicais, a teatrais, passando também pela política (qual será o político de província que nunca terá discursado a partir do Coreto da sua terra)

A utilização mais comum está ligada à música, seja uma banda filarmónica com os seus metais e percussões, uma orquestra com os seus instrumentos de corda,

um grupo pop ou rock com a guitarra e bateria, ou ainda um grupo coral com os seus instrumentos vocais.

Os coretos quando existem são sempre a motivo mais central de um jardim, como o Coreto do Jardim da Estrela em Lisboa, entre os lagos, ou o Coreto da Sertã, junto à Igreja Matriz, ou ainda o da Sra da Confiança, em Pedrogão Pequeno, e que nesta altura serve de ponto de vigia de focos de incêndio.

Com um aspecto mais moderno e de linhas rectas como o de Figueiró dos Vinhos, ou mais trabalhado em ferro e madeira como o da Estrela, os Coretos fazem parte da Alma... dos jardins e praças portuguesas.

Já sabe, quando passear Com Calma... num jardim com Coreto, sente-se num banco de jardim e deixe-se levar pelos sons que a sua imaginação compôr.