segunda-feira, maio 14, 2007


Tinha os olhos abertos mas não via.
O corpo todo era saudade
de alguém que o modelara e não sabia
que o tocara de maio e claridade.
.
Parava o seu gesto onde pára tudo:
no limiar das coisas por saber;
- e ficara surdo e cego e mudo
para que tudo fosse grave no seu ser.
.
Eugénio de Andrade - O anjo de pedra

4 comentários:

Ludovicus Rex disse...

Um Boa escolha.

Boa Semana

Platero disse...

Passei para dar um beijo de boa noite.

Nighty Night, sleep tight...

Um beijo

Bipede Implume disse...

...Don't let the big bugs bite you.
If they do, grab the shoe and slap them black and blue.
Beijinhos.

Carminda Pinho disse...

Só para dizer que o poema de Jorge de Sena é lindo e a sensibilidade de quem o escolheu é enorme.
Boa Noite!