terça-feira, março 25, 2008

Criança adormecida, ó minha noite,
noite perfeita e embalada
folha a dolha,
noite transfigurada,
ó noite mais pequena do que as fontes,
pura alucinação da madrugada
-chegaste,
nem eu sei de que horizontes.

Hoje vens ao meu encontro
nimbada de astros,
alta e despida
de soluços e lágrimas e gritos
-ó minha noite, namorada
de vagabundos e aflitos.

Chegaste, noite minha,
de pálpebras descidas
leve no ar que respiramos,
nítida no ângulo das esquinas
-ó noite mais pequena do que a morte:
nas mãos abertas onde me fechaste
ponho meus versos e a própria sorte.

Eugénio de Andrade - Noite Transfigurada

7 comentários:

Meg disse...

SURPRISE!!!

Castigo pro comboio malandro

passa
passa sempre com a força dele
ué ué ué
hii hii hii
te-quem-tem te-que-tem te-quem-tem

o comboio malandro
passa

Nas janelas muita gente
ai bô viaje
adeujo homéé
n'ganas bonitas
quitandeiras de lenço encarnado
levam cana no Luanda pra vender

hii hii hii
aquele vagon de grades tem bois
muú muú muú

tem outro
igual como este dos bois
leva gente,
muita gente como eu
cheio de poeira
gente triste como os bois
gente que vai no contrato

Tem bois que morre no viaje
mas o preto não morre
canta como é criança
"Mulonde iá késsua uádibalé
uádibalé uádibalé..."
Esse comboio malandro
sozinho na estrada de ferro
passa
passa
sem respeito
ué ué ué
com muito fumo na trás
hii hii hii
te-quem-tem te-quem-tem te-quem-tem

Comboio malandro
O fogo que sai no corpo dele
Vai no capim e queima
Vai nas casas dos pretos e queima
Esse comboio malandro
Já queimou o meu milho

Se na lavra do milho tem pacacas
Eu faço armadilhas no chão,
Se na lavra tem kiombos
Eu tiro a espingarda de kimbundo
E mato neles
Mas se vai lá fogo do malandro
- Deixa!-
Ué ué ué
Te-quem-tem te-quem-tem te-quem-tem
Só fica fumo,
Muito fumo mesmo.

Mas espera só
Quando esse comboio malandro descarrilar
E os brancos chamar os pretos pra empurrar
Eu vou
Mas não empurro
- Nem com chicote -
Finjo só que faço forca
Aka!

Comboio malandro
Você vai ver só o castigo
Vai dormir mesmo no meio do caminho.


Beijão Grande

Bipede Implume disse...

Querida Meg
:') (Chorar a rir, aprendi isto hoje)
Quando mudar a minha música vou pôr o Fausto.
Beijo grande para ti.

Meg disse...

Podes publicar, Isabel!

Ele não é meu, é "nosso"

Feliz por te saber feliz

Té la mà Maria - Reus disse...

que bonita foto de la farola y como siempre nos deleitas con buena poesia.

De noite, quando o sol se esconde e a lua sai...
As estrelas se vestem con seus trajes de luz para dançar ao redor.
De noite, quando as luzes se apagam e tudo se torna escuro...
Os amantes se juntam para dançar ao amor.
De noite, quando tudo parece preto e não há espaço para um raio de luz...
O dançar faz sua magia para mudá-lo e deixá-lo tudo multicor.

Anónimo disse...

Que fotografia....Saudade
Grande abraço, amiga e até muito brève!!
Cristina

Carminda Pinho disse...

Nesta noite quase manhã passo para reler o poema lindo do Eugénio de Andrade.
O candeeiro... ilumina a minha passagem por aqui.

Beijos

Bipede Implume disse...

Querida Meg
Hoje não consegui pôr o Fausto. Uma incompatibiidade no PC. Hei-de tentar, com mais calma, noutra altura.
Neste mesmo CD tem também a "Carta de um contratado" musicada pelo Fausto.
Grande abraço, amiga.

té la mà maria-reus
De quem é este poema?
A noite inspira as almas, meu amigo.
Grande abraço de amizade.

Cristina, ma belle
Os dias vão passar num instante e logo,logo... estarás de volta ao nosso sol.
Saudades e beijinhos.

Carminda, amiga madrugadora
Nessa hora ainda eu estava a sonhar.
Olha que o sono faz falta.
Espero que tenhas um fim de semana retemperador.
Beijinhos.