terça-feira, abril 24, 2012



São tristes as cidades sob a chuva
e as canções que se atiram contra as grades
- minha pátria vestida de viúva
entre as grades e a chuva das cidades.

É triste o cão que ladra no canil
quando é março ou abril e lhe prendem as pernas
é triste a primavera no País de Abril
- minha pátria perfil de mágoas e tabernas.

É triste: uns vestem-se de Abril outros de trapos.
Tu ó estrangeiro é só por fora que nos olhas
- minha pátria bordada de farrapos
capa de trapos remendada a verdes folhas.

Abril tão triste no País de Abril. Por fora
é tudo verde. (Abril com máscaras de festa).
Por dentro - minha pátria a rir como quem chora
(A festa da tristeza é tudo o que lhe resta).

Abril tão triste no País de Abril. Aqui
a noite. Aqui a dor. Meninos velhos
- minha pátria a chorar como quem ri
em surdina em silêncio. E de joelhos.


Manuel Alegre  - País de Abril a Ernesto Melo Antunes


5 comentários:

cores e outros amores disse...

cada vez mais a chorar... cada vez mais de joelhos... infelizmente!
abraço

christina disse...

Lindo poéme,mas triste...
Bom fim de semana,beijinhos e saudade...

alfacinha disse...

Não encontrei palavras convenientes

mas ,amanhã é um outro dia.
Cumprimentos

Je Vois La Vie en Vert disse...

"Tu ó estrangeiro é só por fora que nos olhas"
como estrangeira, posso dizer que também olho por dentro dos portugueses e vejo um povo que gosto muito apesar de os achar um pouco tristes e pessimistas demais, às vezes... ;)

"minha pátria bordada de farrapos capa de trapos remendada a verdes folhas."

Ainda bem que está o verde que tanto gosto para alegrar os farrapos... ;)

Não me levem a mal, não estou a troçar do poema do Manuel Alegre, poeta que respeito, claro, mas não só sou brincalhona como gosto mais de sorrir do que chorar.


Querida Isabel,
Venho agradecer as tuas palavras de carinho no meu blog. Fiquei feliz por saber que consegui transmitir energia positiva porque era esse o meu propósito !
Volta quando quiseres ao meu cantinho verde porque ele não está fechado e podes retirar o que quiseres dele. Só te peço de me avisar para eu puder ter o prazer de comentar, porque estou muito pouco na blogosfera agora.
Estás a ver, fico feliz quando venho cá e encontro a fotografia do meu porte-bonheur. Este ano, trouxe da Bélgica um pezinho e terei de novo o meu porte-bonheur para este ano.
Não tive no ano 2011 e viu-se como me fez falta... :(
Tudo de bom para ti também, querida amiga.
Muitos beijinhos
Verdinha

Je Vois La Vie en Vert disse...

Querida Isabel,

Não te preocupes, não fiquei atingida pelo poema ! Sou mesmo assim : mesmo no meio das dificuldades e tristezas - e Deus sabe como sofri no ano 2011 e acho que não transpareceu muito este sofrimento no meu blog nem no meu dia a dia, esta tristeza, eu a guardava para quando eu estava sozinha - eu tento sempre ver o lado positivo ("brincando") do que o lado negativo, é por isso que chamei o meu blog Je Vois la Vie en Vert...

Não fechei as portas do meu blog nem da blogosfera, estarei só menos presente...

Muitos beijinhos
Verdinha