sexta-feira, dezembro 11, 2009





A luz que te ilumina,
Terra da cor dos olhos de quem olha!
A paz que se adivinha
Na tua solidão
Que nenhuma mesquinha
Condição
Pode compreender e povoar!
O mistério da tua imensidão
Onde o tempo caminha
Sem chegar!...



Miguel Torga - Alentejo

Posted by Picasa

6 comentários:

Ana Tapadas disse...

Querida Isabel:
Assim não vale!
Agora espelhas aqui a minha alma! Todos me ficam a conhecer: eu sou esta terra, fui incapaz de a abandonar; eu sou este poema de Torga, dantes até o sabia de cor e pensava baixinho dentro de mim, quando olhava a planície...era uma espécie de «oração» telúrica e apaziguadora.
Preciso de dizer-te como gostei deste post?
Tem um bom fim-de-semana e aceita um beijinho de boa noite,
Ana Maria

Carminda Pinho disse...

É uma alegria chegar aqui e deparar-me com a paisagem alentejana a encimar um dos lindos poemas do noso Miguel Torga.
Bom domingo, Isabel.
:)
Beijinhos

Je Vois la Vie en Vert disse...

Estes são os prados como gosto de os ver !
E acompanhados com poema de Miguel Torga, ainda ficam mais bonitos !

Beijinhos

Verdinha

alfacinha disse...

os prados verdes do Alentejo em declive suave ,emudece o maior gabarola
cumprimentos de Antuérpia

Flor ♥ disse...

Querida Isabel,

Lindas fotografias. Quanta calma... quanta alma...

é o espelho desse blog!

Beijinhos, e uma semana de paz!

Bipede Implume disse...

Queridos amigos

Ana
Carminda
Verdinha
Alfacinha
Flor

Tenho muita pena de ainda não ter tempo para me dedicar a viajar pelo nosso Portugal.
Assim, logo que posso, vou direitinha ao Alentejo, onde, tenho a certeza, encontrarei sempre um recanto bonito para vos mostrar.
Muito obrigada pelo vosso carinho.
Beijinhos
Isabel