segunda-feira, fevereiro 08, 2010

Lagoa - Ericeira

Oxalis - Trevo azedo

Malmequer silvestre

Muscari




Nascemos para o sono,
nascemos para o sonho.
Não foi para viver que viemos sobre a terra.
Breve apenas seremos erva que reverdece:
verdes os corações e as pétalas estendidas.
Porque o corpo é uma flor muito fresca e mortal.

Mexico- Ciclo Nauatle
Versão: Herberto Helder
in Rosa do Mundo

Posted by Picasa

5 comentários:

Cristina disse...

E bem verdade!!!
Magnifico flors do sol!
Aqui o ceu è cinzento e frio.
Beijinhos.

Meg disse...

Isabel,

Fiquei presa à primeira fotografia que me fez lembrar o Alentejo, quando o atravesso a certas horas da tarde. Linda!
Assim como o poema e... todas as flores.

Beijinho

Ana Tapadas disse...

Amiga Isabel:
Que post tão lindo!
O poema é uma verdade absoluta e as fotos amarelinhas e belas trazem-me uma suspeita de Primavera.
Ando a correr atrás dos dias, mas o ritmo há-de abrandar...
Beijinho e uma noite descansada


(Não te inquietes com as minhas questões. Eu acredito em Deus, não nesse que questiono...)

Bipede Implume disse...

Queridas

Cristina
Meg
Ana

É verdade é uma promessa de Primavera. Bem merecemos.
Beiinhos.
Isabel

Flor ♥ disse...

Que lindezas... a iluminação está perfeita!

Beijinhos, querida amiga!