quarta-feira, junho 20, 2007

É urgente o amor.
É urgente um barco no mar.

É urgente destruir certas palavras,
ódio, solidão e crueldade,
alguns lamentos, muitas espadas.

É urgente inventar alegria,
multiplicar os beijos, as searas,
é urgente descobrir rosas e rios
e manhãs claras.

Cai o silêncio nos ombros e a luz
impura, até doer.
É urgente o amor, é urgente
permanecer .

Eugénio de Andrade - Urgentemente

6 comentários:

Carminda Pinho disse...

Lindo este poema.
É urgente que a poesia de Eugénio de Andrade e não só, volte a ir para a rua. Dita, cantada, recitada, seja de que maneira for mas que vá, para que toda a gente seja capaz de \tornar a inventar a alegria.
Beijinho

Bipede Implume disse...

De uma maneira um pouco microscópica é o que ambas andamos a tentar fazer.
O teu entusiasmo é tão contagiante que vamos continuar.
Beijinho, boa noite.

Meg disse...

Já somos três, da mesma opinião...
Eugénio de Andrade é urgente
Um abraço

cristina disse...

Adoro, Eugénio de Andrade!Obrigada para este bonita poèma!

Bipede Implume disse...

Olá Meg
Grata pela visita.
Eugénio de Andrade é também uma voz límpida e de grande lirismo da poesia portuguesa.
Um abraço.

Cristina
Fico feliz por ter gostado deste poema.
Um abraço.

Vieira Calado disse...

Contra a mensagem, nada há a dizer.
Mas acho um bocado piegas.
Um abraço