quarta-feira, julho 23, 2008


Meus olhos eram mesmo água,
- te juro -
mexendo um brilho vidrado,
verde-claro, verde-escuro.

Fiz barquinhos de brinquedo,
- te juro -
fui botando todos eles
naquele rio tão puro.

Veio vindo a ventania,
- te juro -
as águas mudam seu brilho,
quando o tempo anda inseguro.

Quando as águas escurecem,
- te juro -
todos os barcos se perdem,
entre o passado e o futuro.

São dois rios os meus olhos,
- te juro -
noite e dia correm, correm,
mas não acho o que procuro.

Cecília Meireles - Cantiguinha
Posted by Picasa

5 comentários:

Carminda Pinho disse...

Uma regata no Tejo(é?), um poema de Cecília Meireles lindo, e aqui está como se pode surpreender pela positiva, quem por aqui passa...com calma...:)

Beijos

Cristina disse...

Lindo poèma!
Hoje ha sol...finalemente!!!
Abraço.

Té la mà Maria - Reus disse...

molto bonito In the sumertine

beijos

Anna disse...

Cecília Meireles é sempre tão doce no uso da Língua e a tua foto recorda uma paisagem pela qual anseio...Obrigada.
Pois...conheces mesmo a Ponte de Sor e as tais empaditas!
aqui não há muito que ver e tudo vai sendo feito com as polémicas do costume, mas há que ver o lado positivo das coisas, não é?

Bipede Implume disse...

Querida Carminda
Andava a passear e apanhei esta regata. São sempre muito bonitos
estes desportos náuticos. E muito coloridos.
Beijinhos e bom fim de semana.

Querida Cristina
Hoje, pelo menos em Lisboa, estamos com um tempo muito feio. Mesmo feio, vou até à Ericeira.
Beijinhos e bom fim de semana.

Querido té la mà maria-reus
Olá amigo.
Obrigada e bom fim de semana.
Beijinhos.

Querida Anna
Tenho recordações lindas de Ponte de Sor. Dos pessegueiros em flor.
Dos maravilhosos morangos que o pessoal do campo nos oferecia em troca de nada. Pessoas de uma grande generosidade.
Beijinhos e bom fim de semana.